4 dicas de como se proteger das variações do dólar nas viagens

Aos que precisam gastar em dólar nas viagens, o dinheiro mais aceito no mundo, devem saber quais são as melhores formas: cartões pré-pagos, cartão de crédito ou espécie.

O raciocínio serve para qualquer moeda. Mas como se proteger das variações do dólar nas viagens, principalmente das “altas pós compras no cartão de crédito”, diante das fortes emoções no cenário político-econômico do nosso país?

Eu não entendo nada de finanças, economia, etc. mas entendo de gastos! E como! Ainda mais quando o assunto é “vamos viajar”.

Para responder essa pergunta, conversei com uma pessoa do departamento de Finanças  da minha casa. O Dr. Maurice Jorge De Rosa, nosso “CEO”, que atua diariamente no mercado de capitais, há 16 anos. Ele é experiente nessa área, mas não é sua profissão. Ele é médico Anestesiologista, e suas férias são “viagens com a família”, assim, ele se programa financeiramente para fazer isso todos os anos, e usa uma forma simples de se proteger das variações do dólar nas viagens.

Ai vão as dicas.

#1 Espécie

Primeiro, o mais simples para se proteger das variações do dólar nas viagens é comprar o dólar direto na casa de câmbio. Vantagem: o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) é menor, 1,1% (era 0,38 %), apesar da cotação ser um pouquinho maior do que do cartão de crédito. Como desvantagem, pode ser perigoso você andar com uma quantia grande de dólar na viagem, pior ainda se for na cueca. Mas numa viagem, não tem jeito: sempre terá que levar uma quantia em dólar, em cash. Vale lembrar que o limite que se pode levar por pessoa é USD 10 mil.

dollar

#2 Cartão Pré-pago ou Travel Money

Segundo, o cartão pré-pago é uma alternativa à primeira opção, só que o IOF é o mesmo do cartão de crédito, 6,38%. A única vantagem do cartão pré-pago sob o cartão de crédito é que se sabe o quanto se pagou no dólar, ou melhor, já pagou, ou “já paguei”. É uma outra excelente maneira de se proteger das variações do dólar.

No cartão de crédito você vai pagar o valor de quando vencer a sua fatura: pode ser menor, pode ser maior, o governo pode ter uma brilhante idéia ou alguém com foro privilegiado pode ser preso.… Enfim, não há proteção!

O cartão pré-pago vale a pena, caro leitor, quando se quer ter o controle de “quanto vai gastar”. Se planejou gastar USD 1000, então compre os dólares com antecedência, na data que achar melhor, na cotação que achar melhor, e pronto. Está pago. Não tem “surpresa” depois. Você pode ir comprando uma quantia por mês, pode e deve se programar. Lembrando que o o pré-pago não acumula pontos.

Cartão de crédito ou dólar nas viagens

#3 Fundo Cambial – Para se proteger das compras no cartão de crédito.

Se você quer usar seu cartão de crédito e acumular milhas, a dica é:  para qualquer pessoa – aplicar o dinheiro num Fundo Cambial.

Existem Fundos Cambiais a partir de R$ 1.000 . Os mais interessantes estão a partir de R$ 10.000. A maioria dos bancos possuem Fundo Cambial e ele está atrelado ao dólar.

Dólar subiu, o Fundo sobe. O seu dinheiro acompanha a cotação dia a dia do dólar.

Imagine o seguinte:  na viagem, você gastou $10 mil dólares no seu cartão de crédito, a R$ 4,00. São R$ 40 mil no total que você deveria pagar. Mas, se por um motivo qualquer, o dólar sobe para R$ 6,00… daí vem o drama,  na hora de pagar a fatura do cartão, a conta virá em R$ 60 mil….

Se você aplicou esses 10 mil dólares  ou 40 mil reais (da época) num Fundo Cambial, esse dinheiro estará muito próximo dos R$ 60 mil que deverá sacar para pagar a sua fatura…. e você não vai precisar morrer de stress por causa de 20 mil reais que teria que pagar pela diferença da subida do dólar. Pois você tem esses 20 mil reais! Ufa! 

Mas calma, tem mordida nesse “lucro”, que não é bem um “lucro”! Vou explicar.

Na hora de sacar será descontado um imposto de renda deste lucro:

22.5% com menos de 6 meses da data do investimento; 20%  de 6 meses a 1 ano; 17,5%  entre 1 e 2 anos; 15% acima de 2 anos.

Essa taxação é automática, o governo te morde de qualquer jeito.

Para simplificar, vale dizer que estamos falando de um tipo de fundo de investimento, assim como um fundo DI. Isso significa que você tem uma “cota de investimento”. Esses fundos cambiais nada mais são do que ativos  que seguem o dólar, e os bancos cobram uma taxa pra administrar tudo isso.

Não é nada difícil, você deve entrar no site do seu banco e verificar, por exemplo, qual será a taxa de administração que se deve pagar para o montante que se quer investir, pois para cada quantia há uma taxa, e as taxas variam nos bancos. Faça a pesquisa! Compare preços!

O Fundo Cambial serve exatamente para quem quer investir em dólar e não quer comprar em espécie, e/ou não tem intimidade com mercado de captais. É uma boa opção para se proteger das variações do dólar nas viagens.

Então vejam: não tem “lucro” propriamente dito, estamos falando de “proteção”: você pode ir aos outlets, comer nos restaurantes top, andar de helicóptero…ou apenas gastar aquilo que programou. Se o dólar subir, não vai te afetar… muito.

Essa é a chamada operação de “hedge”, que significa “proteção”. 

Neste caso a diferença é que seu “lucro” será taxado pelo nosso querido governo. Mas o prejuízo está limitado e calculado.

Lembrando que no cartão de crédito também  é taxado os 6,38 % de IOF…

Mas agente acumula milhas! Essa é a vantagem…

#4- Nível avançado de investimento

Quarto – e mais avançado dentre as opções apresentadas para se proteger das variações do dólar neste post: comprar um contrato de dólar na BVMF, ou seja, no mercado futuro de dólar.

Não é para qualquer um. É menos custosa, mas operacionalmente, é mais complicada. Um mini-contrato corresponde a 10 mil dólares. Na verdade você não gasta isso na hora, somente precisa ter em torno de 20% disso na sua conta da corretora de valores como garantia.

Simplesmente, compra-se esse mini-contrato, e os ajustes são diários. Se o valor do dólar cair 1%, sairá da conta, e se subir, entrará.

Mas só aconselho esse método para quem é realmente investidor, tem intimidade com o mercado de capitais. É muito usado por empresas e grandes investidores, mas nada impede de você viajante se arriscar se tem o perfil, conta em corretora de valores, etc.

O Dr. Maurice não gosta de falar em tendências… Ele sempre diz, quando alguém liga e pergunta se está na hora de comprar dólares: “a única certeza que você tem do futuro é que ele é desconhecido.”

Ajuda muito né!

Concluindo:

Você vai viajar, então se programe, planeje, vá comprando dólar conforme a cotação. Existem cenários e probabilidades. É difícil avaliar cenários. Simplesmente você pode comprar dólar porque quer viajar, e vai acompanhando a cotação, às vezes acerta, às vezes não…mas é sempre melhor “ter” os dólares, se vai viajar! Ou se proteger das variações do dólar nas viagens planejando!

E deixo uma frase-dica do Dr. Maurice:

“Planeje financeiramente suas viagens. Compre dólares para viajar. Proteja-se, pois o futuro é incerto”

Para quem se interessa e quer saber mais sobre o assunto abordado neste post, sugiro a leitura dos links abaixo:

“11Perguntas sobre dólar que todos mundo deveria saber” – Infomoney

Saiba como investir em fundos cambiais e apostar no dólar“- Istoé

Deixe abaixo, sua pergunta ou comentário!

Sobre o autor

A blogueira é professora / gestora universitária. Quando não está trabalhando, sai para explorar lugares e comidas pelo planeta. Ensina e aprende trocando opiniões sobre viagem.

Relacionados